Notícias

O charme da iluminação

Clique para ampliar

Um dos itens indispensáveis na hora de elaborar um ambiente é a iluminação. Seja para dar um charme a mais na decoração ou para reduzir gastos de energia elétrica: ela pode ser essencial em diversas situações, dependendo do seu objetivo. Para explicar sobre o assunto, nós conversamos com a arquiteta Roberta Petillo e o resultado foi uma entrevista imperdível. Confira:

Quais as estratégias para deixar a iluminação acolhedora? 

O ponto de luz centralizado no meio do teto do cômodo é muito tradicional no Brasil, mas certamente essa não é a maneira de deixar um ambiente mais acolhedor. A utilização de luminárias e abajur é um jeito simples de trazer aconchego para o lar. Outra forma, mais técnica e muito eficiente, é a dimerização. Com a utilização do dimer criamos a possibilidade de diversificar "cenas" usando os pontos de luz existentes.

O que é tendência hoje em dia em iluminação? 
Não acredito numa tendência estética, mas uma tendência ecológica. O mundo virou os olhos para a necessidade de economizar recursos. Assim, se torna fundamental pensar bem os espaços e calcular com precisão o número de lâmpadas. Mais uma vez a dimerização é aqui um trunfo.

Quais acessórios de iluminação – como lustres, spots, arandelas - deixam ambientes mais charmosos? 
Lustres sempre foram considerados o centro das atenções. Hoje, as coisas não são mais tão céticas. Os de cristal, acredito, estão caindo em desuso. Está havendo uma enorme valorização de produtos assinados e de tecnologia. Nada é mais charmoso do que o "apropriado". Os spots voltaram com tudo, pois solucionam com simplicidade e perfeição reformas de imóveis antigos que possuíam apenas um ponto na lage. A lage limita um pouco as possibilidades nos projetos de iluminação - e é aí que entram as réguas com os spots. Eles possibilitam uma melhor distribuição da iluminação e ainda criam um efeito incrível de luz e sombra.

Além da iluminação artificial, como pode-se valorizar a iluminação natural em ambientes residenciais e comerciais? 
Antes de mais nada, ainda no projeto da construção, devemos pensar na posição solar do imóvel. O sol, durante o dia, executa uma volta que promove efeitos distintos de iluminação e também de temperatura. Janelas altas promovem entrada de luz mais abundante. As claraboias devem ser usadas com muita precaução, pois tendem a causar super aquecimento e ofuscamento.

Quais as dicas para reduzir custos de energia elétrica relacionados à iluminação?
A tecnologia LED promove redução de custos elétricos e, a longo prazo, também na aquisição do material, visto que pela sua durabilidade a manutenção das lâmpadas será muito menor. Outra opção é a dimerização. Sem falar na automatização, que em alguns lugares do mundo já são exigidas, especialmente em prédios comerciais. A automatização permite a programação no horário de acionamento e de finalização. Tem também os sensores, ideais para aquele funcionário que sempre fica até mais tarde e esquece de apagar a luz. Em casa, existe a possibilidade da utilização de um tablet, que, localizado no hall de entrada da casa, contendo a planta, sinaliza as lâmpadas que estão ligadas. Isso significa que ao sair da sua residência o morador poderá verificar se alguma luminária ficou acesa. A automatização permite, ainda, criar "cenas", ou seja, grupos de lâmpadas que serão acionadas simultaneamente. Assim o morador pode criar "cenas" como "jantar" ou "leitura" e programar apenas a luminárias que devem ser acionadas.

Quais as vantagens e desvantagens da tecnologia LED?
As vantagens do LED são as mais comentadas: redução de custos e a baixa manutenção. Em determinadas situações, em que não há necessidade de trocar lâmpadas com frequência - como lugares com pé direto altíssimo -, o LED é ideal.
A grande desvantagem até agora é, sem dúvida, a qualidade da luz. Ainda que seja muito boa, ela não é uma halógena. Não consegue produzir uma cor tão bonita.